Archive for the Ambiente Category

Cursos de Construção e Engenharia Online

Posted in Ambiente, CAD, Construção, Engenharia, Engenharia Civil, Links, OpenCourseWare on Outubro 10, 2007 by Nelson Costa

 Encontrei mais uma página com cursos online no âmbito da construção e engenharia civil.

frelogo01.gif (5798 bytes)

constLogo01.gif (22912 bytes)

Os cursos presentes de interesse para este blog são:

AutoCAD

Basic Hydraulics

Building Construction & Finishing

Environmental science

Essentials of Plumbing

Fundamentals of Geology

Fundamentals of Welding

Installing Electrical Conduit Systems

Professional Carpentry

Survey of Electrical Construction

 

Tem ainda cursos na área da FísicaMatemática geral, Álgebra, Trigonometria, Cálculo (Derivadas, Integrais) entre outros.

 

Para além dos cursos em texto tem ainda “Video Introductions” de algumas áreas, sendo de destacar:

Linear Algebra

Diferential equations

Geology

 

Ver lista completa de cursos.

 

Plano Nacional de Barragens

Posted in Ambiente, Construção, Energia, Engenharia, Engenharia Civil, Estruturas, Grandes Obras, Hidráulica, Noticias, Planeamento e Ordenamento on Outubro 4, 2007 by Nelson Costa

O Governo apresentou hoje, no Museu da Água, em Lisboa, o Plano Nacional de Barragens, que inclui dez novos projectos, a construir até 2020. A sua construção, nos períodos de pico, dará emprego a mais de 1500 pessoas, adiantou ontem fonte do Ministério da Economia.

O primeiro-ministro, José Sócrates, fez hoje uma defesa veemente do novo Plano Nacional de Barragens, alegando que o desaproveitamento do potencial hídrico ameaça a autonomia e torna Portugal mais dependente do exterior em termos energéticos.

O plano, apresentado hoje em Lisboa, prevê que Portugal atinja em 2020 uma capacidade hidroeléctrica superior a sete mil megawatts e em que os novos aproveitamentos hidroeléctricos a implementar assegurem valores de potência instalada adicional na ordem dos dois mil megawatts.

José Sócrates fez ainda questão de frisar que o plano nacional de barragens “resulta pela primeira vez de uma avaliação ambiental estratégica” e “inaugura uma nova fase ao nível do planeamento hídrico”.

“A nossa aposta na energia eólica só faz sentido se for considerada como um complemento da aposta no aproveitamento dos recursos hídricos”, sustentou ainda.

 

A barragem de Pizão, no rio Vouga, terá uma potência instalada de 77 megawatts e deverá representar um investimento da ordem dos 109 milhões de euros. Foz Tua, no Tua, terá uma potência de 234 mw e poderá custar cerca de 177 milhões. Vidago e Fridão são ambas no rio Tâmega. A primeira com uma potência instalada de 90 mw e a segunda de 163 mw. O investimento a realizar na construção de Vidago rondará os 177 milhões de euros. Já em relação a Fridão não se conseguiu apurar até ao fecho da edição quanto pode envolver. 

O Governo assegura que quer lançar alguns dos dez novos projectos já em 2008.

Em execução estão Picote II e Bemposta II (reforços de potência em barragens já existentes). Entre os projectos aprovados destacam-se Alqueva II, outro reforço de potência, e a barragem do Baixo Sabor, a construir de raiz. 

Uma das grandes preocupações foi encontrar locais onde se poderiam construir barragens sem surpresas ambientais que os inviabilizem ou atrasem a sua execução, como aconteceu com Foz Côa e o Baixo Sabor.

Outro dos critérios tomados em conta na avaliação dos locais foi o seu mérito em termos de potencial para a produção de energia eléctrica e o seu valor para outras eventuais utilizações, nomeadamente para fins múltiplos.

A partir de hoje, o Plano estará em consulta pública durante 30 dias > ver aqui!

Fontes:

http://www.inag.pt/

http://dn.sapo.pt/2007/10/04/economia/construcao_barragens_gerar_1500_empr.html

http://economia.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1306555

Meça a sua pegada ecológica

Posted in Ambiente, Energia, Links on Outubro 4, 2007 by Nelson Costa

O site aqui apresentado consiste numa aplicação flash que lhe permite calcular a produção de CO2 anual dos seus equipamentos e actividades. Numa altura em que as preocupações a nível ambiental e energético estão a ganhar novos contornos e visto que são de extrema importância, é sempre bom  informarmo-nos e preocupar-nos também com isso em vez de deixar esse papel apenas aos Governos. É obrigação de todos nós cuidar do Ambiente!

Se, tal como eu, não faz a mínima ideia da pegada ecológica em termos de CO2, pode ficar aqui com uma ideia. Clique em baixo para fazer o cálculo:

Directgov’s online carbon calculator

Mais páginas relacionadas:

Compare Transports CO2 emissions

Informação sobre consumo de combustível e emissão de CO2 – DGV

Descubra o verde

Carbono Zero

“Fertilizar” o mar com ferro para capturar CO2

Posted in Ambiente, Engenharia on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

O mundo científico está a estudar a hipótese de combater as alterações climáticas através do depósito de milhões de toneladas de ferro no oceano, de modo a alterar a sua composição química.

A ideia é que o ferro possa funcionar como um “fertilizante”, fomentando o crescimento de toneladas de plâncton que absorveriam o dióxido de carbono ao redor existente na água do mar. Quando o plâncton – constituído por um conjunto de plantas e animais microscópicos em suspensão nas águas dos oceanos e que está na base de muitas cadeias alimentares – morresse, os seus corpos afundariam para águas profundas, misturando-se com os sedimentos, onde o carbono ficaria definitivamente encerrado.

Uma empresa americana, a Planktos, “semeou” o oceano Pacífico com cem toneladas de partículas de ferro, criando um tapete de plâncton no início deste ano, revelando resultados interessantes.

No entanto o assunto é ainda alvo de grande controvérsia entre os cientistas: 

“A fertilização oceânica precisa de muita investigação, mas se há uma hipótese de a podermos usar para diminuirmos o carbono na atmosfera temos de a estudar”, considerou Buesseler.

Russ George, director executivo da Planktos, defende que uma tonelada de ferro permitirá remover cem mil toneladas de dióxido de carbono.

Por outro lado, David Santillo, cientista sénior nos laboratórios de investigação da Universidade Exeter da Greenpeace, considera a fertilização dos mares com ferro uma ideia disparatada. “Não há qualquer prova que o florescimento de plâncton resulte em carbono a ser depositado em sedimentos”, afirmou, acrescentando que a “adição de ferro em tamanha escala também causará estragos nos ecossistemas”.

Fonte (texto parcialmente retirado de):

http://dn.sapo.pt/2007/09/26/ciencia/fertilizar_o_com_ferro_para_capturar.html

Portugal monta primeiro parque de energia das ondas do mundo

Posted in Ambiente, Energia, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Grandes Obras, Hidráulica, Noticias, Tecnologia on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

Portugal prepara-se para inaugurar o primeiro parque comercial de energia das ondas, capaz de fornecer energia “limpa” a 350 mil casas . O investimento, segundo previsões do ano passado, rondaria os 8,5 milhões de euros, fornecendo energia para 6000 habitantes numa primeira instalação, prevendo-se a instalação de 5000 MW até 2020.

“O que estamos a montar é o primeiro parque de energia das ondas do mundo“, disse ao The Guardian António Sá da Costa, da administração da Enersis. “Isto não está isento de riscos”, acrescentou, “mas Portugal é o lugar ideal para tentar provar a exequibilidade da tecnologia”. “Possuímos uma costa de grande extensão, em comparação com o nível populacional do País, e com o apoio do Governo decidimos avançar”, explicou.

A Enersis conta ter 30 máquinas em funcionamento já no próximo ano.

As máquinas Pelamis, nome latino que designa as serpentes marítimas, desenhados por uma empresa escocesa que é líder mundial neste novo tipo de energia renovável, são compostas de vários cilindros vermelhos, cada um deles do tamanho de um pequeno comboio regional, conectados entre si, e que apontam na direcção das ondas.

Clique aqui para ver o modelo interactivo de funcionamento do sistema.

A nova tecnologia baseia-se na introdução da energia criada pelas ondas nos tubos, fazendo com que estes subam e desçam no leito do mar. A energia assim armazenada é depois ligada a um sistema hidráulico que a produz. As três serpentes marítimas serão em breve colocadas num ponto a cerca de cinco quilómetros da costa portuguesa, (perto da Póvoa de Varzim, na Aguçadoura), a partir da qual a energia será bombeada para a rede nacional.

As máquinas Pelamis foram desenhadas e construídas na Escócia pela empresa Pelamis Wave Power (PWP), mas a intervenção portuguesa foi decisiva para que o projecto adquirisse verdadeiro ímpeto. O dono da obra é a empresa portuguesa Enersis, com largo percurso na capítulo das energias renováveis.

Mais:

Ocean Power Delivery Portugal

Wikipedia > pelamis

Fonte (texto parcialmente retirado de):

http://dn.sapo.pt/2007/10/03/ciencia/portugal_tira_energia_ondas_mar.html

http://dn.sapo.pt/2006/05/12/economia/enersis_instala_primeiro_parque_onda.html

Cientistas receiam novo Tsunami catastrófico em Sumatra

Posted in Ambiente, Engenharia, Engenharia Civil, Noticias on Setembro 27, 2007 by Nelson Costa

O tsunami de 2004 pode não ser uma tragédia isolada. Os sucessivos sismos, que nas últimas semanas têm-se registado na ilha de Sumatra, estão a preocupar a comunidade científica, pois podem ser um forte indício de que um terramoto de proporções catastróficas possa atingir a região em breve.

tsunami.JPG

Somente este ano foram registados milhares de sismos na Indonésia. Dada a forte intensidade de alguns dos abalos, e até das réplicas, verificou-se o aumento dos alertas de tsunami naquela zona do planeta. Os cientistas estão a monitorizar atentamente estes episódios sísmicos deixando transparecer alguma preocupação com a possibilidade de um grande terramoto de proporções catastróficas vir a atingir aquela zona densamente povoada.

Animação exemplificativa do Tsunami do Índico, em 2004.

Animação exemplificativa do Tsunami de 2004

Crê-se que a mesma falha que gerou o tsunami de Dezembro de 2004 está na origem destes sucessivos abalos sísmicos, já que se centra numa zona de subducção, área de convergência das placas tectónicas. O alerta é dado por Kerry Sieh, do Instituto Tecnológico da Califórnia. À CNN o geólogo, especialista em sismos, lembra que estes movimentos aumentam a probabilidade para que se produza um sismo em grande escala.

Também num estudo divulgado na revista “Nature”, Phil Cummins, da agência australiana Geoscience, corrobora desta opinião. O especialista, que previu o tsunami de Sumatra antes mesmo deste ter acontecido, conclui agora que existe um elevado risco de se produzir um grande terrramoto ao largo de uma falha de cerca de 900 quilómetros de longitude paralela à costa ocidental de Myanmar e Bangladesh. Citado pela France-Press, Cummins acredita que existe um grave risco de acontecer um grande terramoto seguido de um tsunami.

Fonte (texto parcialmente retirado de): ciberia.aeiou.pt/?st=7590

WaterfrontExpo 2007 em Lisboa

Posted in Ambiente, Engenharia, Engenharia Civil, Hidráulica, Noticias on Setembro 22, 2007 by Nelson Costa

Portugal vai receber e organizar este ano a WaterfrontExpo , que se realiza pelo quinto ano consecutivo, e irá decorrer nos próximos dias 2 a 4 de Outubro, no Centro de Congressos de Lisboa, subordinada ao tema ‘Helping Global Cities Compete’. Este evento é a mais importante conferência e esposição internacional sobre planeamento, concepção e desenvolvimento de frentes ribeirinhas.

De lembrar que Lisboa tem a maior frente ribeirinha da Europa.

Dos principais objectivos da conferência são de ressalvar: estabelecimento de contactos com os responsáveis municipais de cidades ribeirinhas de várias regiões do mundo, conhecer promotores imobiliários, potenciais investidores, fornecedores e empresas de serviços, conhecer as tendências mais recentes no domínio da arquitectura, concepção e planeamento de frentes ribeirinhas.

Um painel de oradores liderado pelo arquitecto Lord Richard Rogers, organizações internacionais de primeira linha como a Norman Foster & Partners, a Arcapita e a Colliers CRE, projectos inovadores para as frentes ribeirinhas de Vancouver, Fremantle, Valência ou São Petersburgo, reforçam a importância deste evento, cujo tema central, ilustrado pelo estudo de casos como Lisboa, Vancouver e Viena, será ‘Frentes Ribeirinhas Sustentáveis’.

Os participantes são oriundos de mais de 35 países, estando confirmada a presença de 500 delegados (entre arquitectos, profissionais ligados ao Turismo, à Engenharia e à Indústria Naval, ou a projectos de intervenção urbana).

«Este é um evento de profissionais, que este ano, e pela primeira vez, será aberto a visitantes, embora só à área de exposição», referiu Domingos Vital, Sales & Marketing Manager da WaterfrontExpo2007.

O WaterfrontExpo será complementado por uma exposição, que contará com a participação de várias cidades ribeirinhas e empresas de serviços profissionais.

O evento de Lisboa oferecerá ainda oportunidades de networking como um tour no rio Tejo, visitas a locais de interesse na região, eventos sociais, visitas guiadas à cidade e à região.

Os parceiros portugueses na organização deste evento são a Associação de Turismo de Lisboa, a Área Metropolitana de Lisboa, a Administração do Porto de Lisboa, as Câmaras Municipais de Almada e Oeiras e a Associação Industrial Portuguesa. A Janela Digital apoia o evento, através do seu software internacional de gestão imobiliária, o Interevo.

‘Almada Nascente, Cidade da Água’ :

O ‘Almada Nascente, Cidade da Água’, um projecto considerado estratégico, vai ser apresentado na WaterfrontExpo2007.

Trata-se de um grande projecto para Almada, para a Área Metropolitana de Lisboa e para o País a concretizar durante vinte anos e que importa começar quanto antes.

http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=8496

Fontes (texto retirado de):

http://casa.sapo.pt/news/detalhe.aspx?weekID=160&newsID=2589

http://casa.sapo.pt/news/detalhe.aspx?weekID=160&newsID=2604

http://www.m-almada.pt/portal/page/portal/CMA