Archive for the Equipamentos Category

Vantagens das Argamassas fabris

Posted in Conservação e Reabilitação, Construção, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Materiais de construção on Outubro 10, 2007 by Nelson Costa

A construção de edifícios nas cidades implica a disponibilidade de áreas significativas para a instalação de estaleiros de obra, que frequentemente constituem um estorvo, perturbando a circulação de pessoas e viaturas. No caso da reabilitação de edifícios, a situação complica-se, porque o espaço para estaleiro é normalmente mais reduzido e com acessibilidades condicionadas.

A Associação Portuguesa dos Fabricantes de Argamassas de Construção (APFAC) faz notar que as argamassas fabris, em substituição das preparadas em obra, «contribuem expressivamente para a organização do estaleiro, reduzindo a área de ocupação do espaço público, evidenciando ainda outras vantagens que se reflectem na qualidade da construção e no ambiente».

A APFAC dinamizará durante a CONCRETA 2007 um seminário, com a pretensão de proporcionar aos técnicos de construção das autarquias da Área Metropolitana do Porto (AMP) e da região Norte uma visão actual das vantagens do uso de argamassas fabris. A iniciativa está prevista para 26 de Outubro, das 14,30 às 17,30 horas, no Centro de Congressos da EXPONOR.

 

Mais: Apresentação sobre “Argamassas fabris”

Fonte (texto parcialmente retirado de notícia em): www.concreta.exponor.pt

Novas tecnologias em gruas-torre giratórias da Potain

Posted in Construção, Empresas, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Tecnologia on Outubro 5, 2007 by Nelson Costa

A Potain, empresa pertencente ao Manitowoc Crane Group, lançou este ano as gruas torre MDT 218, MCT 88 e MR 295, esta última com lança de ângulo variável.

 

Gama MDT ideal para obras urbanas: 

A MDT 218 encontra-se no mercado em duas versões, uma de 8,0 t e outra de 10,0 t e dispõe da última geração de mecanismos controlados por intermédio de um conversor de frequência, para se conseguir giro, elevação e deslocações precisas, eficazes e uniformes.
As gruas torre da gama MDT são ideais para obras urbanas, pois possuem um mecanismo de elevação no braço e são de fácil e rápida montagem.

 

Gama MCT é muito versátil:

Procurando responder à procura crescente de gruas versáteis e tecnologicamente evoluídas, a Potain lançou a MCT 88 que, tal como a MDT 218 que é maior, apresenta um desenho de contra-lança aerodinâmico, que é a imagem de marca da Potain.
A MCT 88 proporciona uma capacidade máxima de 5,0 t e uma extensão de lança de 52 m, distância a que pode elevar 1,1 t. Esta grua inclui, de série, um comando à distância, uma cabina “Vision Cab”, um anemómetro e controlos de limitação de zona.
As gruas da gama MC são pequenas, de fácil montagem e transporte e ocupam muito pouco espaço em obra.

 

MR 295 com ângulo variável:

A grua-torre MR 295, de ângulo variável, surge mais evoluída tecnologicamente do que o modelo anterior lançado no ano passado.
O sucesso da MR 295 está a exceder todas as expectativas e a sua procura tem sido crescente.
Esta grua está disponível em três versões: H16 (com capacidade máxima para 16 t), H 20 (para 20 t) e H 25 (para 25 t). A extensão máxima da lança, em todas elas, é de 60 m, com uma carga máxima de 2,8 t, para a H16.
As três versões vêm equipadas de fábrica com o mecanismo de elevação 150 LCC, da Potain, e o mecanismo de giro RVF 182 Optima +.

 

Produtos da marca: http://www.potain.com/products/index.cfm

 

Fonte: http://www.aecops.pt/pls/daecops2/pnews.build_page?text=21630565

Monstruosas máquinas de Construção (VI)

Posted in Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Tecnologia on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

A sexta monstruosa máquina que aqui se apresenta é a maior barca com grua do mundo. Dá pelo nome de Thialf  e tem o recorde de levantamento de 11683 ton. Opera normalmente nos Mares do Norte.

O SSCV Thialf é uma barca semi-submersível com grua. Foi construída em 1985 para a  McDermott pela Mitsui Engineering & Shipbuilding Co., Ltd.. Em 1997 a Heerema tomou posse dela após descontinuar a “joint-venture” com a McDermott.

A Thialf tem duas gruas com uma capacidade máxima de levantamento de 14200 ton.m tornando-a a maior do mundo. Está equipada com um sistema de posicionamento dinâmico de classe III (class III Dynamic Positioning) para manutenção da posição em águas profundas, composto por 6 propulsores com a potência de 5500w. Para águas baixas, possui 12 âncoras de 22,5 ton com 2500m de comprimento e 80mm de diâmetro.

O casco consiste em dois flutuadores com quatro colunas cada, com a capacidade de submergir 26,6m para reduzir o efeito das ondas e permitir efectuar operações de levantamento com segurança.

Tem capacidade para acomodar 742 pessoas. 

Características técnicas:

Length overall 201.6 meters
Breadth 88.4 meters
Max. draught 31.6 meters
Depth to workdeck 49.5 meters
Height crane above workdeck(at minimum radius) 144.0 meters
Lightship weight 72,484 t
Max. displacement 198,750 t

Concorrente de peso:

“Saipem 7000” (official site)

Seven images of the Saipem 7000 in action

Especificações de equipamentos de construção

Posted in Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

A página que aqui indico permite verificar as especificações de todos os modelos de equipamentos de construção à venda na Europa. Para além de visualizar as especificações pode ainda comparar equipamentos de marcas concorrentes. Para começar clique nas opções abaixo.

         

 

OBS.: Se efectuar a subscrição na página tem acesso a comparar até 5 produtos em simultâneo e a ver detalhes completos das especificações dos produtos, contudo esta subscrição tem um custo anual. 

Hamm inova no sistema de compactação por oscilação

Posted in Construção, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Tecnologia on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

O novo sistema de compactação por oscilação é uma inovação da Hamm, que apresenta inúmeras vantagens na sua aplicação em terra e asfalto. De acordo com fonte da empresa, um dos desafios desta patente foi a redução dos níveis de vibração, em pontes, viadutos e outras superfícies mais delicadas, bem como em solos instáveis, onde a vibração acaba por fragmentar o material. A tecnologia da Hamm permite ao operador um controlo total sobre o grau e o tipo de compactação desejada.

HOME > Choose your language

Fonte da Moviter, empresa que detém a representação da marca em Portugal, explicou ao Construir que “a compactação com vibração consegue-se fazendo o rolo “saltar” sobre a superfície, enquanto que o sistema de oscilação da Hamm, mantém o rolo em permanente contacto com a superfície, garantindo uma compactação mais rápida”.

De acordo com alguns testes realizados ao nível da compactação de terras e no asfalto, conclui-se que no primeiro caso “um cilindro com oscilação consegue os mesmos níveis de compactação com menos passagens que os cilindros com vibração multidireccional e/ou vertical”, revelou a mesma fonte. Quanto aos testes efectuados no asfalto, a oscilação conseguiu superar os 95% da densidade desejada, valor que o rolo vibratório tradicional não conseguiu atingir. Para além da melhor compactação, a oscilação produz menos ruído e menos vibrações, com reflexos no desgaste do equipamento e no conforto do operador.

 

Saber mais:

http://www.hammcompactors.com/osc/osc_index.html

http://www.ciber.com.br/revista/pdfs/marco_2007_Compactadores_pt.pdf

 

Fonte (texto parcialmente retirado de): www.construir.pt

Portugal monta primeiro parque de energia das ondas do mundo

Posted in Ambiente, Energia, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Grandes Obras, Hidráulica, Noticias, Tecnologia on Outubro 3, 2007 by Nelson Costa

Portugal prepara-se para inaugurar o primeiro parque comercial de energia das ondas, capaz de fornecer energia “limpa” a 350 mil casas . O investimento, segundo previsões do ano passado, rondaria os 8,5 milhões de euros, fornecendo energia para 6000 habitantes numa primeira instalação, prevendo-se a instalação de 5000 MW até 2020.

“O que estamos a montar é o primeiro parque de energia das ondas do mundo“, disse ao The Guardian António Sá da Costa, da administração da Enersis. “Isto não está isento de riscos”, acrescentou, “mas Portugal é o lugar ideal para tentar provar a exequibilidade da tecnologia”. “Possuímos uma costa de grande extensão, em comparação com o nível populacional do País, e com o apoio do Governo decidimos avançar”, explicou.

A Enersis conta ter 30 máquinas em funcionamento já no próximo ano.

As máquinas Pelamis, nome latino que designa as serpentes marítimas, desenhados por uma empresa escocesa que é líder mundial neste novo tipo de energia renovável, são compostas de vários cilindros vermelhos, cada um deles do tamanho de um pequeno comboio regional, conectados entre si, e que apontam na direcção das ondas.

Clique aqui para ver o modelo interactivo de funcionamento do sistema.

A nova tecnologia baseia-se na introdução da energia criada pelas ondas nos tubos, fazendo com que estes subam e desçam no leito do mar. A energia assim armazenada é depois ligada a um sistema hidráulico que a produz. As três serpentes marítimas serão em breve colocadas num ponto a cerca de cinco quilómetros da costa portuguesa, (perto da Póvoa de Varzim, na Aguçadoura), a partir da qual a energia será bombeada para a rede nacional.

As máquinas Pelamis foram desenhadas e construídas na Escócia pela empresa Pelamis Wave Power (PWP), mas a intervenção portuguesa foi decisiva para que o projecto adquirisse verdadeiro ímpeto. O dono da obra é a empresa portuguesa Enersis, com largo percurso na capítulo das energias renováveis.

Mais:

Ocean Power Delivery Portugal

Wikipedia > pelamis

Fonte (texto parcialmente retirado de):

http://dn.sapo.pt/2007/10/03/ciencia/portugal_tira_energia_ondas_mar.html

http://dn.sapo.pt/2006/05/12/economia/enersis_instala_primeiro_parque_onda.html

Galp investe em consórcio eólico

Posted in Ambiente, Energia, Engenharia, Engenharia Civil, Equipamentos, Noticias, Tecnologia on Setembro 19, 2007 by Nelson Costa

O consórcio Ventinveste, liderado pela Galp, vencedor da “fase B” do concurso público lançado pelo Governo para a atribuição de 400 MW de capacidade de injecção em centrais eólicas, anunciou ontem que o grupo irá investir 636 milhões de euros e que espera um retorno dentro de dez anos de 8 mil milhões de euros.

Segundo palavras do Ministro da Economia, Manuel Pinho, que presidiu ontem à sessão de assinatura do contrato, “Portugal é o país da UE que mais creceu nesta área. Em dois anos, a potência eólica foi multiplicada por 4 e, na área hídrica, lançaram-se mais projectos em dois anos do que nos últimos 20. Este projecto da Ventinveste mostra que vale a pena: estamos a falar de mais de 500 milhões de euros em geradores, da criação de 1300 postos de trabalho e de 8 mil milhões de euros ao fim de dez anos”

 

Fonte: http://www.negocios.pt/default.asp?Session=&SqlPage=Content_Empresas&CpContentId=302578